Capa » Cidade » Prefeito ameaça acabar com PCCR da educação se CPI for aberta
Prefeito ameaça acabar com PCCR da educação se CPI for aberta

Prefeito ameaça acabar com PCCR da educação se CPI for aberta

Compartilhar

 

O prefeito de Vilhena,  Flori Cordeiro de Miranda Junior (PODE) em entrevista a um site local, ameaçou acabar com o Plano de Cargos Carreiras e Salários da Educação, em vigor desde 2022 se a CPI pedida pelos profissionais de educação for aberta na próxima segunda-feira, 28. Esta semana, os professores entregaram um abaixo assinado com mais de 800 subscrevestes pedindo a abertura de uma investigação em relação as contas da cidade.

O impasse entre o prefeito e os educadores iniciou quando Flori alegou não ter condições de conceder um reajuste de 14,9% previstos em lei aos professores. Uma greve que durou cerca de 2 semanas foi encerrada essa semana por uma liminar concedida pelo desembargador Miguel Monico, do Tribunal de Justiça de Rondônia, determinando o retorno de 80% dos trabalhadores. Na última quinta-feira eles optaram pelo fim da greve pois já haviam pedido a abertura da CPI. São necessárias 5 assinaturas e 4 vereadores já confirmaram estarem à favor da abertura.undefined

Flori alega que o PCCS aumentou as despesas do município, e para “se defender, ele vai questionar a legalidade do plano”. Segundo o entendimento do prefeito, “ao aprovar o Plano com uma emenda da vereadora Vivian Repessold (PP), aumentando as despesas do município, a Câmara incorreu em uma ilegalidade

A vereadora rebateu, “realmente foi aprovada uma emenda que não foi vetada e foi referendada pelo prefeito Flori”, disse a vereadora. Para Vivian, “isso daí pra mim eu vejo mais como uma ameaça, é mais uma forma de amedrontar, aterrorizar, desestabilizar e eu sigo em frente”, completou a vereadora.

Para Vivian, o prefeito ‘secou os cofres das demais secretarias para atender apenas os pagamentos para a Santa Casa de Misericórdia de Chavantes, que recebe pouco mais de R$ 8 milhões por mês para gerir a saúde municipal“.

Na última quinta-feira, o presidente da Câmara, Samir Ali afirmou que “Se defender o direito dos trabalhadores e da Educação é ser politiqueiro, então podem me chamar assim”, rebatendo acusações do prefeito em entrevistas concedidas ao longo da semana. Ele acredita que houve inabilidade do prefeito em lidar com a situação, considerando que Flori em momento algum quis dialogar com os trabalhadores de forma empática, sempre tentando impor sua vontade aos trabalhadores.

Samir ainda afirmou que é preciso avaliar melhor o argumento apresentado pelo prefeito acerca das finanças municipais estarem no limite do que estabelece a Lei de Responsabilidade Fiscal no que diz respeito a folha de pagamento, “pois se for considerado que a entidade para a qual foi terceirizado o sistema de saúde municipal é responsável pelo pagamento dos funcionários do setor, então há limite sim para se promover reajuste aos educadores”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

dezoito + 10 =